segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Post para os Maus

Esse post é pra você que foi muito, muito mal durante este e, porque  não, outros anos também.



Pra você que desejou o mal, que fantasiou estar fazendo o mal, que fez efetivamente mal a alguém quando poderia ter escolhido fazer nada ou, melhor ainda, poderia ter escolhido fazer o bem.
Pra você que preferiu fazer fofoca a fazer silêncio, que preferiu se meter na vida das pessoas a invés de dar um olhar ou uma palavra de conforto, apoio, amizade sinceros e discretos.
Pra você que puxou o tapete do seu colega de trabalho apenas pelo prazer de poder fazê-lo e para mostrar do que é capaz, que mentiu para parecer melhor e fazer o outro parecer pior, que sorriu pela frente e falou mal pelas costas do seu chefe, dos seus colegas, da sua empresa.
Pra você que finge ser bom, que faz uma caridade aqui e ali, mas que depois sente prazer em ser o elemento desagregador, que sente prazer em poder manipular as pessoas a seu favor quando, na verdade, você está completamente errada.
Pra você que vai a Igreja, Culto, Sinagoga, Terreiro e afins,  reza, se confessa, toma passe, acende vela pro anjo da guarda e depois sai as ruas e não é capaz de ser gentil e educado nem com o porteiro do seu prédio. Que desconhece o real significado de palavras como respeito, compreensão, justiça, ética, amor, amizade, lealdade, sinceridade. Amar ao próximo então, nem pensar!
Pra você que usa o seu poder, conhecimento, contatos, meios (sejam materiais ou não) para humilhar, injustiçar, desrespeitar, manipular, se vingar.
Pra você que não consegue ver alegria e felicidade alheias, que se dói quando outro consegue algo que você não conseguiu, que não inveja ter para si, mas que prefere que o outro também não tenha.
Pra você que escolheu uma vida sem amor, amizade, carinho e lealdade verdadeiros e tenta destruir isso na vida dos outros através de comentários maldosos, de olhares de reprovação, de aconselhamentos errôneos.

Pra você...

Pra você eu desejo... muito AMOR!!
Pra você eu desejo FELICIDADE, AMIZADE, CONFORTO, SINCERIDADE, HUMILDADE, PAZ DE ESPÍRITO, COMPAIXÃO!

Porque te desejar coisas ruins me transforma em alguém como você e isso eu não quero.
Porque te desejar coisas ruins não resolve nada, pior, só dá continuidade ao próprio mal.

Abra mão da sua mágoa, raiva, desamor, vingança, arrogância.
Abra o seu coração para a simplicidade, para a alegria, para a tranquilidade,

Escolha ser bom.
Escolha exercer o bem todos os dias, em tudo aquilo que fizer.
Pare e pense antes de desejar mal, de falar mal, de fazer fofoca, de ser leviana.

Escolha o caminho do bem.
Escolha o caminho do amor.

Ainda dá tempo.

domingo, 4 de novembro de 2012

Pão Integral de Banana II

A pedido das minhas caras colegas de trabalho, aí vai a receita do pão de banana. E não, não tem nada de errado com a receita, não vai mesmo fermento. :D

Pão Integral de Banana

Ingredientes
2 xícaras de farinha de trigo integral
1 colher de chá cheia de bicarbonato de sódio
1/2 colhe de chá de sal
1 xícara de açúcar mascavo
2 ovos grandes
1/2 xícara de óleo
2 colheres de sopa de iogurte natural
1 colher de chá de essência de baunilha
3 bananas maduras amassadas

Misture os ingredientes secos e úmidos separadamente. Depois, junte-os. Misture bem.
Coloque numa forma de pão untada com óleo ou em duas formas de bolo inglês também untadas com óleo.
Forno pré aquecido a 200ºC por mais ou menos 40 minutos. Verifique se está bom, enfiando um palito, se sair seco, está pronto.


sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Torta Integral de Camarão com Requeijão

Estou na onda do integral e tenho testado receitas de farinha branca substituindo-as pela integral e vendo o que acontece. Essa "experiência" aqui ficou fantástica!!! O recheio pode ser substituído por frango, atum, espinafre, carne moída, entre outros. A gosto do freguês. Antes de começar, já pré aqueça o forno.

Torta Integral de Camarão com Requeijão

Ingredientes da massa
- 2 xícaras de farinha integral (usei da marca Dona Benta)
- 1/2 coher de chá de sal
- 1 colher de sopa de fermento
- 2 ovos
- 2 colheres de chá de azeite
- 1 e 1/2 xícara de leite
- requeijão (só na montagem)

Misture os ingredientes secos e úmidos separadamente, depois junte-os.

Ingredientes do camarão
- 500g de camarão
- 1/2 cebola picada
- 1/2 tomate picado
- 1 colher de café de alho picado/triturado
- 2 colheres de óleo
- 1 envelope de hondashi (tempero de peixe da marca Ajinomoto)
- sal e pimenta a gosto (usei pimenta chilli moída)
- 4 colheres de sopa de molho de tomate
- champignon fatiado (opcional)

Aquece o azeite, coloque a cebola e o alho, depois o tomate, deixe cozinhar um pouco. coloque o camarão, e mexa de vez enquando até ficar rosado. Coloque o hondashi e a pimenta, depois o molho de tomate. Deixe cozinhar um pouco e prove para acertar o sal. Coloque o champignon. O molho, para a torta tem que ficar bem grosso, mais para seco, se não, a torta fica molhada demais.

Montagem
Unte uma forma retangular média com óleo. Coloque metade da massa, espalhe o molho de camarão e por cima, o requeijão as colheradas. Cubra com o resto da massa e leve ao forno por cerca de 30 min ou até ficar dourado. Temperatura do forno: 200ºC.

Espero que gostem!!!

sábado, 6 de outubro de 2012

Galette de Frutas Vermelhas

Mais uma vez inspirada pelas fotinhos do Pinterest, resolvi testar essa receita mega fácil de galette de frutas vermelhas. Primeiro: o que é uma galette? Galette é um termo francês para tortas ou tortinhas que ficam com uma parte do recheio a mostra e  que possuem uma aparência mais rústica.



O que você vai precisar?
- uma massa folhada comprada pronta (eu usei massa leve, mas prefiro a Arosa) - essa massa é um coringa! Serve pra recheio doce e salgado. É sempre bom ter uma no congelador. Só precisa ser tirar do congelador e deixar em temperatura ambiente uns 30 minutos antes de usar);
- 450 g de frutas vermelhas congeladas (deixe descongelar naturalmente numa peneira para sair o excesso de líquido e gelo do congelamento)
- 1 xícara de açúcar e mais um pouco para salpicar por cima
- 2 col de farinha de trigo
- 1 pitada de sal
- papel manteiga.
- 1 gema de ovo com uma colher de água para pincelar

Cubra a assadeira com papel manteiga. Pré-aqueça o forno em 200º.
Polvilhe as frutas com o açúcar, a farinha e o sal. Misture bem.
Abra a massa e coloque as frutas no meio dela, deixado espaço nas bordas para  fechar depois.
Vá virando as bordas da massa para cima das frutas. Lembre-se tem que ficar com um aspecto rústico (veja as minhas fotos) então, não se preocupe tanto com a estética. Depois disso, pincele a gema com água por toda a massa. Leve ao forno até a massa ficar dourada e crocante.

Pode servir com sorvete de creme ou com um molho de cream cheese e limão (que foi o que eu fiz)
- Meio pote de cream cheese
- Meia caixinha de creme de leite
- 1 xícara de açúcar (se quiser mais doce, mais açúcar)
- raspas de 1 limão
- suco de 1 limão
- 1 colher de chá de essência de baunilha

Bata bem e leva a geladeira. Sirva bem gelado com a torta.

Veja as fotinhos :D














Espero que gostem!!

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Queijo Brie Assado

Não fui eu quem fez este aí. Essa foto vem do Pinterest da Martha Stewart - http://pinterest.com/source/marthastewart.com/


O título já diz o que vem a ser este post... receita ultrarápida de queijo brie assado.

Um queijo brie, desses redondinhos;
massa folhada comprada pronta.
gema de ovo para pincelar.

Descongele a massa folhada conforme a embalagem. Envolva todo o queijo brie na massa folhada, fazendo uma "casca". Pincele com gema de ovo e leve ao forno médio (220º) até a massa folhada ficar coradinha e crocante. Sirva com pão e vinho.

Simples e delicioso.
Afinal, é queijo derretido. Não pode dar errado. Simples assim.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Pão de Banana com Morango.



Vi uma foto no Pinterest e fiquei babando!!!
Não achei uma receita nos sites nacionais e peguei uma num site americano. Dei uma modificada na receita e ficou ótima! Essa quantidade dá pra fazer duas formas pequenas de bolo inglês ou uma de tamanho normal.
Na primeira vez que fiz usei banana e morangos (foto acima), na segunda usei banana e frutas vermelhas congeladas (framboesa, amora, morango e mirtilo). Na verdade, acho que dá para usar vários tipos de frutas, é só ir testando pra saber.

ingredientes secos:
1 xícara e meia de farinha de trigo integral
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de fermento em pó
1/2 colher de chá de sal
3/4 de xícara de açúcar (eu usei mascavo, mas pode ser o branco)

ingredientes líquidos:
2 ovos grandes ou 3 pequenos
1/2 xícara de óleo
3 bananas amassadas
2 colheres de sopa de iogurte natural
1 colher de chá de essência de baunilha
1 xícara de morangos picados ou frutas vermelhas

óleo para untar as formas.

Misture os ingredientes secos. Reserve.
Misture os ingredientes líquidos e misture-os aos secos. Não use batedeira, não precisa. Uma colher ou espátula e seu braço, resolve, pode confiar.
Unte as formas com óleo e distribua a mistura nas formas.
Forno pré-aquecido a 200ºC. Asse por uns 40 min ou até o ponto de enfiar uma faca e ela sair seca. Depende muito do forno de cada um.

Fica uma delícia puro, com manteiga ou geléia.

domingo, 30 de setembro de 2012

Finalmente, PARIS!!!

Então, terminando a saga da viagem de 2009, o último capítulo: Paris!


16/07/09

Acordamos as 5h30, saímos do hotel as 6h30 e pegamos o trem para o aeroporto as 07h – Leonardo Express (11 euros cada).
O voo foi ok. Chegamos a Paris por volta de 11h25. Sair do avião, pegar malas, alfândega... Ao invés de pegarmos o metrô, pegamos um ônibus que sai do aeroporto e parava ao lado do nosso hotel. Apesar de ser mais caro, achamos mais seguro. Mas quando fomos embora, já habituados, pegamos o metrô mesmo.


Chegamos ao hotel (Ibis Cambronne - http://www.accorhotels.com/pt-br/hotel-1400-ibis-paris-tour-eiffel-cambronne-15eme/index.shtml) por volta das 14h. O hotel era limpo, o staff bem simpático, mas sem luxos (frigobar ou ar-condicionado).
Check in, largar malas, banho e rua!!
A Torre Eiffel, a poucos metros foi o primeiro alvo. Ao chegarmos lá, havia uma orquestra juvenil tocando “Triller” do Michael Jackson! Demos umas voltas, apreciamos a vista, as pessoas, a cidade. Depois resolvemos problemas práticos (lavar roupa) e tudo certo.



Anoiteceu e fomos procurar um lugar pra jantar. Como estávamos muito cansados (nesses últimos dias de viagem o cansaço começou a chegar cada vez mais cedo), procuramos um lugar próximo ao hotel e achamos: o Cafe Le Pierrot (http://www.evous.fr/Le-Pierrot-Cafe,1125145.html). Atendimento normal, mas a comida fantástica! Quase todos os restaurantes de Paris tem o sistema de Menu fixo: você escolhe um menu (o preço varia, geralmente tem 3 opções de valor), que dará direito a uma entrada, um prato principal e uma sobremesa, bebidas a parte. Quanto mais caro, mais opções você tem. Nós pegávamos um menu barato e um caro e experimentávamos. As porções, ao contrário da novelle cuisine que vemos por aqui (aquelas porções minúsculas), é muito bem servido. Dá uma olhada nas fotos...  21h e ainda era dia! Então, mais uma volta antes do hotel.




Voltamos ao hotel, demos um alô via email para a família no Brasil. A internet é caríssima!! 10 euros por 45 minutos. Mas necessário, então, pagar e pronto.

18/07/09

Acordarmos tarde, por volta das 9h. Como eu disse o cansaço de todos esses dias de viagem resolver chegar. O tempo mudou: ontem, um calor tropical e hoje, um tempo nublado, uma garoa fina. Por um lado, ruim para as fotos, por outro, bom pra bater perna e conhecer a cidade. Começamos já com uma parada no MacDonald’s da esquina do hotel para eu comprar um coffee to go. Afinal, sem cafeína, não dá!


Começamos pela Igreja de Saint Chapelle, com seus lindíssimos vitrais (8 euros a entrada), depois Nortre Dame e, finalmente, o Louvre!!







Surpreendentemente, não haviam filas para o Louvre o que foi um grande adianto! Compramos e entramos direto. Ficamos lá por cerca de 4h30 e não deu pra ver tudo. As estátuas são belíssimas!!! Me apaixonei por “Eros e Psiquê”, de Antonio Canova. Obras de artes de todas as partes do mundo, mas o que de certa forma, dá um certo desconforto. Essas obras deveriam estar nos seus países de origem e não na França. Elas são o resultado dos saques feitos durante os anos de colonização.
Sim, a Monalisa é linda, mas lembre-se que ela é uma obra pequena, o que deixa muita gente meio decepcionada.








Já noite, exaustos, voltamos ao hotel, escolhemos um lugar bacana para jantar, Restaurant La Place (http://www.it-place.fr/) e depois descansar!

18/07/09
Acordamos café e Arco do Triunfo! Ficamos andando pelas Avenida Champs-Élysées, olhando suas lojas, as pessoas. Nos deparamos com uma placa em homenagem ao Santos Dumont!







Depois fomos ao bairro de Monmartre, ver a basílica Sacre Couer. É nesse bairro que ficam os famosos Molin Rouge e o bar Le Chat Noir. Também aqui fica o Museu do Erotismo. E também aqui, ao anoitecer, se torna um bairro de “baixo meretrício”: a prostituição toma o lugar.
A Sacre Couer é maravilhosa, no alto de uma colina, cercada por escadas. Mas o lugar estava uma zona!!! Além dos turistas, vendedores, ambulantes, artistas de rua (cuidado com assaltos, muito comuns na região, não pare para ver nenhum truque).





Paris é linda e merece um pouco do seu tempo. Explico: não fique só correndo de um museu ou de uma igreja para outra. Pare, sente numa praça, veja a vida da cidade: os seus moradores, o seu movimento. Imite os parisienses e faça um piquenique num dos seus inúmeros parques, tire um cochilo, enfim, respire Paris!!

19/07/09

Domingo, friozinho, nublado.
Muita coisa fecha no domingo, mas decidimos fazer algo fora do roteiro turistão: Museu de História Natural e a Galeria da Evolução. Ambos ficam num mesmo e belíssimo parque, cercados de flores e um mini zoo. Pensei na Ângela e na Lygia (professoras de Biologia) que iriam amar tudo o que eu vi.
Centenas de esqueletos de animais, inclusive um tiranossauro rex de verdade!!!! Ficamos extasiados com a quantidade e variedade de animais. Além disso, o parque é lindíssimo para passear ou para descansar.






Saímos por volta das 16h e fomos almoçar. Paramos numa brasserie lindinha, Le Cafe Poliveau (https://plus.google.com/103833167357964774194/about?hl=pt-BRpequena e tranquila. Atendimento excelente e a comida, melhor ainda. Foi o melhor que comi em Paris. Claro que ser um dos meus pratos preferidos, Confit de Canard (pato), ajudou, rs.



Dormir cedo para aproveitar: amanha é o penúltimo dia em Paris.

20/07/09
Segunda-feira.
Fizemos o passeio de barco pelo rio Sena, super legal, dura cerca de 1h. A noite deve ser mais romântico com as luzes acesas e tal :D



Depois pegamos o metrô e fomos para o bairro de La Defense, que fica fora do centro histórico de Paris. É uma parte mais moderna, cheia de prédios de escritório e shoppings.
Depois Saint Sulpice e uma volta pelo Quartier Latin. Também passamos pela Sorbonne (uma das mais importantes universidades do mundo). A noite, ficamos passeando ao redor da Torre Eiffel e fomos jantar, o último jantar em Paris antes de irmos embora.



Amanhã, voltamos ao Brasil.

21/07/09
Acordarmos cedo, terminamos de arrumar as malas. O nosso check out era as 11h, mas nosso voo era só as 23h. Depois de tudo resolvido, alugamos um locker no próprio hotel, deixamos as malas lá e fomos curtir o nosso último dia.
Compramos coisas para um piquenique e passamos o dia no parque em frente a Torre Eiffel. Uma canga, vinho, pães, frios, berries e docinhos. Lemos, dormimos, curtimos a vista, comemos. Passamos o dia lá, observando o vai e vem de Paris. Legal como as pessoas tomam conta do espaço público: muitas pessoas saem do trabalho na hora do almoço e vão para o parque. Tiram a gravata, os sapatos, comem e tiram uma soneca. Também haviam mulheres tomando Sol, aproveitando o verão.



Por volta das 18h nos despedimos de Paris. Voltamos ao hotel, pegamos as malas e tomamos o metrô para o aeroporto. Lá, uma geral no visual (lencinhos umedecidos são a vida), troca de roupa (já prevista e separada na mala de mão) e voltamos a parecer pessoas civilizadas, rs.
Despachamos as bagagens, e fomos relaxar. Comer, beber algo e esperar, pois como diz a música do Lulu Santos: “... eu tô voltando pra casa..”

E assim, a viagem acabou.
Foi uma experiência fantástica!! Organização prévia e planejamento nos poupam de muito problema. Não caia no pensamento romântico de “deixar rolar”. Planeje. Liste o que quer ver/fazer, mas seja flexível, mude os planos, conheça outros lugares, ande pelas ruas, pare, veja a cidade.
Viajar é um dos melhores investimentos que podemos fazer em nós mesmos.
No começo deste ano postei "Pontos Finais", que desejava terminar de fazer o diário de viagem mesmo depois de tanto tempo ter se passado. Fiz a parte de Roma e postei e estava quase terminando de escrever sobre Paris quando minha casa foi assaltada e, entre outras coisas, levaram o meu laptop. Foram-se os anéis, mas ficaram os dedos. Dedos estes que já estão aqui reescrevendo a parte de Paris.

Em breve, Paris, online.


quinta-feira, 8 de março de 2012

O que iremos comemorar?

08 de Março - Dia internacional da Mulher - O texto abaixo é uma reedição de um texto escrito no ano de 2008.

"Hoje, 08 de março de 2008 é a data atribuída, mundialmente, para se homenagear a mulher.

A maioria sabe que essa data foi escolhido por seu significado histórico pois é um marco na luta da mulher por seus direitos como cidadã. Em 1857, na cidade norte-americana de Nova Iorque, operárias de uma fábrica de tecidos entraram em greve para lutar por melhores condições de trabalho: redução da jornada (que beirava as 18 horas por dia), tratamento digno e respeitoso, igualdade de salários (pois recebiam 1/3 do salário dos homens nas mesmas funções) entre outras reivindicações. Em resposta, foram trancadas na fábrica e esta, incendiada. Cerca de 130 trabalhadoras morreram carbonizadas. (*)

Mas mais que parabéns e flores, hoje é um dia simbólico e devemos utilizá-lo para parar e refletir: mas e hoje, como anda a nossa luta?

É fato que, a cada ano que passa, conseguimos mais e melhores direitos.

Podemos votar e ser candidatas (aliás, ocupamos muitos cargos públicos, embora bem menos do que os homens), ocupamos quase todas as áreas de trabalho, existem leis e delegacias específicas para nos proteger, e já quase não nos culpam por termos filhos e trabalhar. Ao mesmo tempo, não apenas no Brasil, mas no mundo afora, atrocidades são cometidas a todo instante: estupros, assassinatos (normalmente por parte do companheiro/marido/namorado/pai), extirpação do clitóris (com o intuito de tornar a mulher submissa, essa cirurgia é feita por muitos povos na África. Sem nenhuma higiene ou anestesia, muitas meninas morrem de infecção, gangrena ou hemorragia). Casamentos forçados, aborto para as gestações de meninas (na Índia, em muitas regiões ainda existe a prática do dote. A família que não pode pagar o dote para casar sua filha, provavelmente, terá que sustentá-la para sempre, pois não arrumará marido. Por isso, gestações de meninas são consideradas problema e, por isso, interrompidas). Aqui, por exemplo, famílias vendem suas filhas como escravas sexuais a particulares ou a bordéis. Muitas são levadas a Europa (principalmente Espanha) para prostituição. Muitas delas ainda, ingenuamente, vão acreditando que conseguirão um "marido rico" - símbolo do fim da miséria e da fome. A realidade, porém, se mostra rápido: ao chegar são levadas ao bordel onde tudo é explicado. Seus documentos são levados e, aquelas que tentam se recusar no início, são espancadas (mas não no rosto). Muitas também são viciadas, contra a vontade, em drogas como heroína, para serem facilmente "domesticadas".

É triste e assustador perceber que, ao mesmo tempo que conseguimos tanto, notamos que ainda nos falta muito. E que tudo acontece lentamente. Exemplo dos "passos de tartaruga", li em uma revista (desculpem, não me lembro a fonte) que, na década de 70 (30 anos atrás), haviam bares em São Paulo que não permitiam a entrada de mulheres sem a presença de um homem pois, afinal de contas, poderiam ser prostitutas! Estamos falando de São Paulo, metrópole nacional, centro cultura e financeiro do país!

Enfim, minhas letras aqui, não visam a tristeza ou o derrotismo. Ao contrário, o mal que nos acomete em todo o mundo e de tantas formas, não deve nos paralizar, mas, ao contrário, nos dar mais garra para ir em frente, em busca do que é nosso por direito: a igualdade, a liberdade e o respeito.
(*) A data foi escolhida para ser o Dia Internacional da Mulher num congresso na Dinamarca em 1910, mas só oficializada pela ONU em 1975."


2012
E o que mudou de lá pra cá?
Não muita coisa, provavelmente quase nada.
No nosso país a mulher continua sendo, na maioria das vezes, uma grande bunda. A maioria conhece as mulheres frutas, que se tornam "famosas" por seus atributos físicos, mas quase ninguém sabe quem é Mayana Zatz (simplesmente a maior geneticista brasileira) ou minha amiga Lys Figueiredo, uma das grandes astrofísicas do Brasil. Continuamos ganhando menos que os homens, sofremos violência física e emocional por parte dos companheiros, nos sentimos culpada por trabalhar e deixar nossos filhos.

Mas uma coisa que tem acontecido nas redes sociais e me deixa profundamente indignada é a difusão de posts colocando TODAS as mulheres como interesseiras ("carro carinho"), merecedoras de violência (provocam, então merecem), fúteis, desequilibradas emocionalmente, seres sem bom senso ou racionalidade. E o pior, boa parte dessa difusão é feita pelas próprias mulheres. Triste. Mostra que o caminho é ainda longo e tortuoso, já que as raízes do preconceito são profundas e fortes inclusive em nós mesmas.

Mas, igual ao texto de 2008, este pretende nos lembrar de tudo que ainda podemos e devemos conquistar. Nos lembrar de tudo aquilo que já conquistamos, nos lembrar que somos merecedoras do melhor, que desejar igualdade em termos legais, profissionais, não exclui um carinho, uma gentileza ou flores.

Que não precisamos nem queremos ser iguais aos homens, porque não somos. Queremos o respeito, a igualdade, as mesmas oportunidades.

Somos mulheres.


P.S.: Mas confesso que ainda acredito que só tem dia especial quem é minoria, quem é excluído, quem ainda precisa encontrar um lugar ao Sol.

sábado, 3 de março de 2012

ROMA - parte IV

Saímos de trem de Zurique as 21h00 com chegada prevista para as 09h da manhã em Roma. A viagem não foi muito confortável, mas pra quem tinha um desejo louco de viajar de trem, foi divertida.

Chegamos no horário previsto e o primeiro choque (quem nem nos passou pela cabeça): a temperatura. Apesar do dia anterior em Zurique ter sido bem quente, pegamos frio em St. Gallen, mesmo em pleno verão europeu. Mas em Roma chegamos a 37ºC! Pegamos as bagagens e um mapa: cadê o hotel. Ele era bem próximo a estação de trem, mas havia um erro no mapa e, por isso, levamos um pouco de tempo até nos localizarmos. Chegamos ao Hotel Patria, mas o check in era apenas a partir das 14h. Mesmo assim o recepcionista, extremamente gentil, guardou nossas bagagens e nos encaminhou ao restaurante para o café da manhã (cortesia). Bom, já que estamos aqui, vamos andar!! O Coliseu ficava a 800m do Hotel e eu estava enlouquecida para vê-lo, mesmo estando de jeans naquele calor mediterrâneo.


Mas a cidade de Roma é uma coisa. Pra mim foi. Começamos a andar e era uma beleza atrás da outra: igrejas, fontes, a Piazza della Republica. Aliás, como bem disse o Xande, em Roma se você tropeçar ou cai numa fonte ou dentro de uma igreja.


Piazza della Republica



Começamos a ir em direção ao Coliseu. E eu fui ficando emocionada. Mesmo. Isso faz parte do que eu sou e do que eu faço. E fomos vendo esculturas, escavações, edificações... e então eu o vi. Ele estava lá, no final da rua, GRANDIOSO: O COLISEU ROMANO. Me deu uma coisa, os olhos encheram de lágrimas. Ele existe sim. Está lá, de pé, desde 80 d.C., quando foi inaugurado, mas espantosamente sua construção iniciou apenas 8 anos antes sob o governo do Imperador Vespasiano e suas atividades foram encerradas em 523.




Tivemos muita sorte porque apesar da longa fila, não esperamos mais que 30 minutos para entrar. Não há muito o que dizer. Tem que ir lá. É maravilhoso!!! Eu tocava as paredes e imaginava todos os homens, todos os gladiadores, todos os escravos que passaram por ali e nunca mais saíram. Do sangue derramado, da política do "pão e circo", da grandiosidade a serviço da mediocridade humana. Fomos ainda ao Fórum Romano e ao Capitólio. Me espantou muito o tamanho das coisas: todas as edificações são gigantescas. No final, o passeio inicial rendeu e só voltamos ao hotel para o check in depois das 18h.


Banho tomado, fôlego retomado, vamos jantar!
Infelizmente, nossa primeira experiência gastrônomica em Roma foi decepcionante: comida, vinho e atendimentos ruins. Então, se for a Roma, passe longe do Ristorante La Cucina Nazionale, na Via Nazionale, 300184.

Após o jantar, uma caminhada pelos redondezas do hotel e demos de cara com um Irish Pub. Paramos pra uma cerveja e planejar o dia seguinte: Vaticano. Nós já haviamos comprado os ingressos pela internet, mas precisávamos ver como chegar lá (a pé ou metrô) visto que era o lugar mais longe que pretendíamos visitar. Decidimos ir de metrô e depois, voltarmos a pé. Tem muita gente que eu conheço que curte e curtiu fazer passeios naqueles ônibus abertos. Mas vou dizer que fazer a pé nos permitiu ver uma enormidade de coisas que não veríamos de bus. Além disso, era decisão nossa o ritmo, onde parar, o que ver, o que não ver. Cada um, cada um.



Impressão do primeiro dia: a palavra que me vem é grandiosidade. As edificações são lindas, em todos os sentidos, mesmo sendo a maioria delas, bastante castigadas pelo tempo. Mas depois de passar dias na calma, educada e limpa Suíça, conhecer a barulhenta, suja e bagunçada (ainda que maravilhosa) Roma, foi um pouco chocante.





13/07

Depois de uma noite onde não dormimos, desmaiamos, acordamos bem, tomamos café e pé na estrada. Pegamos o metrô até as proximidades do Vaticano e a pé fomos conhecendo mais coisas. Afinal, nem tudo é ponto turístico e tem coisas lindas, ruelas, casas, flores nas janelas que merecem ser apreciadas. As belíssimas pontes e esculturas sobre o Rio Tibre (mega poluído), feirinhas de usados, badulaques para turistas, livros, gravuras (voltamos lá depois e compramos uns livros de arte e um poster do Homem Vetruvianno do Leonardo da Vinci). Sol escaldante, cerca de 35ºC. E ahá, descobrimos a maravilha das maravilhas, acho que a melhor coisa de Roma: o sorvete italiano. Häagen-Dazs my ass!!! Qualquer biboca, tiozinho de rua, vende o melhor e mais maravilhoso sorvete que você já provou na vida. E eu que adoro chocolate amargo me deliciei: todos os sorvetes de chocolate eram de chocolate amargo. Muito sorvete pra aplacar o calor e fomos em direção a Praça São Pedro. Pânico. Milhares de pessoas em filas sem começo nem fim. Apesar do susto, começei a observar a multidão: gente de todas as idades, nacionalidades, credos e línguas. Uma verdadeira torre de babel!!!






Refeitos do espanto, fomos procurar a entrada para o museu e, surpresa, surpresa, pra nós que já havíamos comprado os ingresso via internet, havia uma fila diferenciada e... VAZIA. Beleza, entramos direto.


O Museu é inacreditável. A Capela Sistina é uma coisa tão incrível, tão fantástica, que não dá pra descrever. Estamos tão acostumados a ver apenas aquilo de pior que o ser humano pode fazer que, às vezes, esquecemos de tudo de maravilhoso que ele também pode criar.


Levamos mais de 5 horas na visita e não vimos tudo. Com o livro sobre Roma que ganhamos da minha querida amiga Renata, fomos descobrindo o museu. E não interessa se você não entende nada de arte. É lindo. Simples assim.


Apesar da proibição de foto e filmagem, tava todo mundo filmando e tirando foto. Só não valia fazer isso do lado do segurança que aí, o homem chiava, fora isso, tranquilo. Obras de todos os lugares do mundo: Grécia, Mesopotâmia, Egito, China... Mas, não vou negar que me doeu um pouco, afinal, boa parte disso foi roubado, pilhado dos seus países de origem. Mas vamos lá. Fim de tarde, fomos para a Catedral de São Pedro. Como eu havia fuçado na internet para saber as regras (sim, há regras nas igrejas: ninguém entra com ombros ou joelhos aparecendo) entramos sem problemas, mas na nossa frente havia uma moça com uma saia acima do joelho que não pode entrar.

Se até agora eu falei da grandiosidade das coisas, tudo pareceu pequeno quando entramos na catedral. É descomunal, linda, mas descomunal. E mesmo quem não é religioso ou sequer católico, não tem problema, veja com os olhos voltados à beleza da arte e da arquitetura. A Pietá e perfeita. Assim, PERFEITA. Mas... ahhh tinha que ter um mas. Entramos para ver os "Tesouros do Vaticano" e eu vou dizer que eu saí de lá com raiva. É isso mesmo, você leu direito, raiva. Centenas de jóias, roupas bordadas a ouro e pedras preciosas, empoeiradas. Um pequeno anel daqueles alimentaria a Somália por uns 6 meses fácil. Mas enfim...




Saímos de lá, já no fim dos raios de Sol. Mais sorvete. Mais fotos.
E viemos a pé, olhando um monte de lugares lindos: Piazza del Poppolo, Piazza de Spagna (com suas escadarias lotadas de gente jovem e muita paquera) e não vou negar, dei um olhadela nas vitrines da Dior, Prada, Versace (ai, meu sais), DG, Armani, Louis Vuitton, M.A.C..


Passamos num lugar, que me pareceu um teatro e isso estava escrito gigante, na fachada: "Il poolo italiano é il poppolo immortale, che trova sempre una primavera per le sue esperanze, per la sua passione, per la sua grandezza". Lindo não é? Continuamos andando e nos deparamos com um portão enorme, meio aberto... Curiosidade falou alto e demos uma espiadela: um ruazinha fechada, com prediozinhos, lindos, com flores nas janelas. Sossego no meio do caos romano.






Paramos na Piazza San Loreno in Lucina para jantar. E aí sim, uma belíssima refeição. Infelizmente, eu perdi a nota do restaurante, mas na Piazza tem dois: um do lado direito e um do lado esquerdo. Nós comemos no do lado esquerdo. Bom atendimento, excelente massa (óbvio) e ainda uma grappa para finalizar.




Chegamos ao hotel após as 00h30, exaustos, mas bastante realizados pelo maravilhoso dia.
Amanhã tem mais.




14/07

Ritual matinal básico: banho, café e rua!! Mas hoje, as coisas começaram, já cedo, divertidas. O Xande resolveu sair com a camisa do Flamengo em plena Roma. Já no hotel, chamou a atenção de um casal de Araraquara!!!!

Voltamos as proximidades do Vaticano para conhecer o Castelo de Santo Angelo que, teoricamente, tem uma passagem direta subterrânea até o Vaticano (viu o filme "Anjos e Demônios"? pois é). Belíssimo lugar. Depois a maravilhosa e estonteante Fontana de Trevi. Apesar de zilhões de seres humanos, deu pra chegar pertinho, tirar fotos e tudo mais. E aproveitar pra pegar uns sorvetinhos hehehe. Depois piazza Navona, outro lugar lindo, cheio de fontes, prédios históricos, o Panteão. No meio do caminho, um grupo de guris de uns 20 anos, olharam pra nós, pra camisa do Flamengo e gritaram: "Vocês são brasileiros?! Poxa, ajuda a gente!!" hehehehehehe estavam perdidos, não estava entendendo o mapa, ajudamos e sairam felizes da vida. Paramos pra uma coca-cola gelada, porque tem horas que água nenhuma mata a tua sede, e uma senhora passou por nós, voltou, olhou e disse: "belo time o seu hein?" A senhora, do Rio de Janeiro, sentou e conversou um pouco conosco (pena que não me lembro o nome dela), falou que tinha amigos na embaixada e viajava sempre à Itália. Andamos, mais prédios e piazzas lindas e paramos na Piazza Campo del Fiori, por volta das 19h para jantar. O melhor restaurante de Roma. Charmoso, pequeno, numa via que ligava a Piazza Campo del Fiori a Piazza a Piazza Farnesi que dá nome ao restaurante. O Ristorante e pizzeria Farnese, na via Baullari, 109, foi uma exelente experiência: atendimento simpático e eficiente e uma comida maravilhosa. O garçom, quando nos atendeu, não conseguiu e perguntou "Que esquadras é esta?" e aí se vai o papo do Flamengo, do Adriano (que estava jogando na Itália na época). Enquanto esperávamos a comida, vimos um grande movimento de carros e pessoas extremamente bem vestidas (black tie) num prédio mais a frente e descobrimos que era a embaixada da França e como era o dia da Revolução Francesa, da queda da bastilha, tinha um grande baile em comemoração. E a professora de História de araque aqui sequer tinha lembrado. Paciência.











Ficamos frutrados por não conseguir comer tal qual o povo italiano. A refeição completa tem que ter o antepasto/entrada, o 1º prato (massa), o 2º prato (carne, peixe ou frango), acompanhamentos para o 1º e 2º pratos (salada, vegetais) e sobremesa. Claro que tudo isso regado a um bom vinho. Só conseguimos a entrada e ou o 1º ou o 2º pratos. Não dava pra comer os dois. Não sei como esse povo consegue.


Voltamos para o hotel cedo, por volta das 22h e deu vontade de mais uma voltinha, em busca de uma cerveja gelada para aplacar o calor. Aí lembramos de um lugar que parecia bem simples, com mesinhas de metal e flores de plástico. É lá mesmo. Na mesma rua do hotel, chegamos, perguntamos se o garçom falava em inglês, falava, ok, e aí ele trouxe o cardápio. Surpresa número 1: a "carta" de bebidas era gigante. Cervejas de todos os lugares do mundo. Pensamos: "poxa, que boteco bem provido!" Escolhemos e aí o Xande foi ao banheiro, dois segundos depois ele volta: "ENTRA!" Entrei. O lugar era enorme, a parte do bar era a menor de todas, pois simplesmente estávamos no maior distribuidor de bebidas de Roma, a Enoteca Goffredo Chirra, localizada na via Torino, 132. Além de bebidas, doces finos, temperos, geleias de todos os tipos e para todos os bolsos, pois vi uma champagne de mais de 3 mil euros!!! Voltamos pra mesa, pasmos. No meio da conversa o garçom chega com o pedido, para olha pra nós e diz: "vocês também são brasileiros?" Maurício, o garçon, é paulistano e estava na Itália há alguns anos fazendo curso para sommelier. Depois dali iria passar uns tempos na França. Gente finíssima, nos mostrou a loja, nos deu dicas sobre geléias, azeites e, claro, cerveja. Cerveja que marcou e que nos fez lembrar do nosso amigo Pedro Paes Leme: "La Bierre du Demon" uma belga com 14% de teor alcóolico.


Voltamos para o hotel. Precisamos lavar roupa, mas não conseguimos entender as máquinas daqui, rs. Deixar pra fazer me Paris.




15/07



Último dia em Roma. Vontade louca de ver cada vez mais coisas e andar pela cidade, mas as baterias começam a dar sinal de que estão em baixa. Dores nas pernas (e meu estoque providencial de dicoflenaco potássico - antiinflamatório, já está quase no fim!!) e o calor, nos deu uma acalmada. Fomos até o Monomento em homenagem ao rei Vítor Emmanuel II, unificador da Itália. Depois Santa Maria Maggiori, onde esquecida das regras das Igrejas e de blusinha de alça, me obrigou a comprar um lenço para cobrir os ombros. Mas tudo bem, valeu. Depois um outro museu, o Musei Capitolini, lindo, lindo, tem umas áreas em vidro, na parte subterrânea onde ainda estão escavando e encontrando muita coisa. Por isso que só tem duas linhas de metrô em Roma: cada vez que começam obras para a ampliação, algum artefato é encontrado e aí, pára tudo. Dizem que para haver essas duas linhas, fiscal teve que olhar pro lado...rs...



Enoteca Goffredo Chirra


Rei Vitor Emanuel II - unificador da Itália






Bom, voltamos para o hotel cedo. Amanha vamos embora e precisamos fazer as malas e organizar tudo. Levamos dessas mochilas gigantes que eu descobri, não são nem práticas nem confortáveis. Pesam a beça (eu mal conseguia andar e carregar a minha). Não importa o que me dizem, mala de rodinha é a vida. E tenho dito.

Saímos pra jantar no Ristorante del Giglio. Excelente também!! Mas ainda fico com o atendimento mais amigável do Farnese. Depois, passadinha na Enoteca Chirra, uma última cerveja em Roma, umas comprinhas e vamos lá, que amanhã é Paris!!!!

Pontos Finais

A viagem foi em 2009 e já estamos em 2012. Iniciei o diário de viagem e, por muitos motivos, finalizá-lo foi ficando pra um depois que nunca veio.

Mas eu acredito na importância dos pontos finais.
Então, mesmo tudo isso tendo se passado há 3 anos, mesmo que eu e meu companheiro de viagem já não habitamos mais o coração um do outro, retomei a incumbência de fazer o relato de uma viagem belíssima e que será lembrada com muito carinho sempre.

Ao leitor, se houver algum, peço paciência.
Tentarei ser o mais rápida, mas não a mais breve já que, observando o clichê feminino, detalhamentos são essenciais para essa história.

Aos poucos, mais e mais pedaços serão alinhavados aqui.

A parte da Suíça está pronta.
Agora começarei Roma e, depois, Paris.

Aos poucos que lerem isso, espero que gostem, que se divirtam, que consigam imaginar os cenários e, quem sabe, se inspirem para uma viagem.